sexta-feira, setembro 29

Briosa.

Não é incomum ver o Comboio Azul, adepto com carácter de exclusividade, da Académica de Coimbra, gozar connosco, pobres torcedores de equipas que fazem capa de jornal e que nem golos podem sofrer jornada a jornada. Goza connosco do alto (ou do baixo, em rigor) do conforto da sua pequena equipa, histórica mas modesta, que não faz mais do que é obrigada, que comemora as permanências, sabe o que é uma subida de divisão, sonha cautelosamente com um dia na UEFA ou na final da Taça.

Agora finalmente, e graças ao Nuno Miguel Guedes, venho a descobrir o que se ouve nas bancadas em Coimbra por estes dias. Será, como no caso do Benfica, um bem esgalhado ragtime de Scott Joplin do século XIX? Não é bem. Mas louve-se a actualidade e a intenção de atrair jovens para a causa academista.

5 comentários:

major disse...

Obrigado pela referência, caro Le Fante. talvez a ideia de usarem a canção da Floribella venha a dar frutos (e o conceito até é divertido), mas lá que mói, mói.
Entretanto fico contente por não ser desses adeptos que goza com os grandes. Normalmente estou mais poreocupado com a minha equipa, mas percebo o que quer dizer. É o que sinto quando adeptos do SLB, SCP ou FCP me dizem que a Briosa é um clube «simpático». Um paternalismo insuportável, digo eu.
Parabéns pelo blogue, e por também gostarem de Richard Cheese!

abraço,
nuno miguel guedes

Le Fante disse...

E quando diz às pessoas que é da Académica, Nuno? Não vem logo a seguir um "ah, bem simpático. Mas agora a sério. De que clube grande é que és?"

Abraço

major disse...

Exactamente. É isso que me irrita - a «simpatia», que se confunde com acharem que é clube de museu - e a suposta necessidade de ter outro clube. Para os meus amigos dos «grandes», sou normalmente do clube rival e nunca da Briosa. Estranho fenómeno.

abraço,
nmg

Comboio Azul disse...

Pode ter sido uma ideia muito pobre (que foi), mas ó Fante, pelo menos sempre escreveram uma letra original. Os do seu clube, por outro lado, arranjaram uma melodia decente mas não conseguiram melhor do que repetir incessantemente "ninguém para o Benfica".

Já agora, e para ser mais rigoroso, eu não "gozo" com os adeptos dos três estarolas. Simplesmente afirmo que nunca serão capazes de se regozijar com um qualquer empate ou até, em dias bons, uma vitória bem suada. Se o seu Benfica, por exemplo, jogar contra uma equipa acessível, nada menos do que uma goleada com domínio total do jogo vos apraz. Há aí todo um potencial de desilusão que não permite gostar do jogo pelo jogo.

Bruno Sousa disse...

Aqui tenho de concordar plenamente com o ferroviário. Enquanto para os adeptos dos grandes ganhar é uma obrigação e perder uma desgraça, um adepto de um clube pequeno já está habituado a perder mas faz de cada vitória uma festa. Bem vistas as coisas, um adepto de um clube pequeno acaba por ter muito mais alegrias.
No entanto, como não se pode ter tudo, o meu clube está na segunda e lá somos obrigados a ganhar... Nunca mais subimos para levar tareia de toda a gente e sermos felizes!